top of page
  • Foto do escritorErica

Caloura 5.2

Atualizado: 3 de abr.

Quando terminei minha formação em Aconselhamento Biográfico, depois de quatro longos anos, tudo o que eu queria era “boiar”. Ou seja, descansar em águas calmas, mornas e cristalinas. Tenho consciência do quanto eu gosto de me aprofundar nos assuntos do desenvolvimento humano, mas depois de 4 anos eu desejava férias!





Um ano depois eu sentia que já estava querendo voltar a estudar, parecia que a minha Alma pedia mais conhecimento. Mas o quê? Eis a questão...


Eu havia pensado em fazer Psicologia, mas encarar 5 anos de sala de aula, trabalhos em grupo, provas, estágio e TCC... nossa, que preguiça! Fora a questão da idade, eu com 52 anos na sala de aula, o que seria de mim!


Outras formações mais curtas como Psicanálise não me agradavam pelo conteúdo singular. Pensei em fazer Psicologia Antroposófica, mas é pré-requisito ser psicólogo ou médico. As perguntas me rondavam: O que fazer? O que eu quero fazer?


Então comecei a mudar meu processo interno. Ao invés de ficar empacada na pergunta “O que eu quero fazer?” me perguntei: “Como eu me vejo daqui a 5 anos?”. E a imagem de mim trabalhando com pessoas em atendimento clínico veio muito forte.


Ainda assim resolvi levar para o sono... as pessoas dizem: faça a pergunta para o mundo espiritual e leve para o sono, a resposta virá quando você despertar.


Então eu levei para o sono umas dez vezes e sempre acordei sem resposta. Eu esperava sonhar com uma resposta, que a mensagem viesse escrita em neon piscante... e nada. Pensei: “o mundo espiritual não conversa comigo... minha Alma não se comunica comigo...”


E, falando em Alma, refleti: estou no 8º setênio, fase do ouvir a Alma, de realizar o que faz sentido para o mundo... por que minha Alma não conversa comigo?


Obs: Se você quiser saber mais sobre os setênios, eu preparei um e-book sobre o tema. Você pode baixá-lo aqui: Fases da Vida: Descobrindo as cores da minha biografia


Então novamente resolvi mudar o processo e passei a comentar com algumas pessoas que eu estavapensando em fazer Psicologia, mas ainda não tinha certeza, pois dava preguiça só de pensar”.


E, claro, eu ouvia de volta: “Ahh... imagina! 5 anos, você não precisa disso!”. E eu sentia que ainda não era isso.


Imediatamente passei a dizer para as pessoas: “Resolvi fazer Psicologia!” e apesar de alguns olhares assustados, muitas me respondiam: “Que legal! Tem tudo a ver com você! Demorou hein!”


E aí, eu finalmente senti que estava no caminho certo. Não pelo feedback que eu ouvia (é claro que isso ajudava também), mas principalmente pela sensação de empoderamento, de força e convicção que a minha verbalização do “vou fazer Psicologia” me dava. Quanto mais eu falava, mais o caminho à minha frente ficava claro.

Quanto mais eu verbalizava, mais eu sentia na Alma que eu estava tomando a decisão certa, que a escolha estava alinhada ao meu propósito de vida.


E foi assim que eu também compreendi como a minha Alma se comunica comigo. Enquanto eu ficava pensando nas minhas necessidades do Ego (preguiça, 5 anos, aula, prova etc.) eu não escutava a Alma.


A partir do momento em que eu foquei em quem eu desejo ser em 5 anos e me conectei a essa realização, o resto passou a fazer parte do caminho. Sim, nesse caminho vai ter aula, prova, TCC, etc. e não é isso que vai me impedir de me tornar uma Psicóloga.


Sim, vou iniciar uma faculdade aos 52 anos e terminar aos 57 e ainda terei uns belos anos para atuar como Psicóloga.


Aprendi que a minha Alma não se comunica em letras garrafais neon piscante. A comunicação é mais sutil. Mas, uma vez tomada a decisão, a certeza vem em vermelho pulsante junto com as batidas do coração!

É preciso superar os ruídos do pensamento racional e egóico para ouvir a Alma. E é preciso ser autêntico e verdadeiro para se pavimentar o caminho de realização do propósito, e ter coragem para tomar as decisões!


Sim, isso também venho desmistificando: propósito de vida a gente não realiza quando se chega num ponto, mas sim ao longo do caminho que se faz. E não existe limitação de idade para realizar seu propósito de vida!



Erica Mizumoto é estudante de Psicologia, Aconselhadora Biográfica e Coach. E agora compreende como sua Alma se comunica e a direciona nessa jornada de vida.




Comentarios


bottom of page