Live and let die | Como o fundo do poço me fez morrer e voltar à vida

Não sou o que me acontece.

Sou o que escolho me tornar”

Carl Jung

 

Era uma segunda-feira, dia 09 de abril de 2018. Café da manhã. Marido para a esposa: “Mulher, o que você está achando do nosso casamento? Está uma droga, né? Vamos nos separar”. Sim, a frase não terminava com um ponto de interrogação – o que seria o convite para uma conversa – ela terminava com um ponto final mesmo, uma conclusão, um término seco e cruel, simples assim. A esposa no caso era eu. O marido, meu ex. Fui para o fundo do poço naquele mesmo instante, uma viagem direta e “non stop” para um lugar frio, tenebroso e assustador, que durou alguns meses, mas que mais pareceram séculos!

 

Assim começa o meu relato autobiográfico sobre o pior e o melhor momento da minha vida. O melhor?! Sim, pois a pior experiência acabou me trazendo de volta à vida, uma travessia para minha melhor versão. Como assim?! Pois é...com aquela novidade bombástica fui parar lá no fundo do poço, lá no fundinho mesmo. Mergulhei nas profundezas do meu inferno existencial, fui tomar um drink com o capeta, sofri com uma das maiores dores espirituais que uma pessoa comum pode experimentar (dizem que a dor de uma separação só perde para a morte de um filho).

 

E foi assim comigo, depois de longos e bons 15 anos de casamento, a relação definitivamente não funcionava mais. Meu ex-marido teve a coragem de fazer o que eu não tinha, colocar um ponto final na nossa história. Isso me tirou completamente o chão. Mesmo estando numa vida a dois muito solitária, eu insistia em não enxergar a realidade e muito menos agir a partir dela. Me escondi no quarto escuro do meu castelinho ilusório e de lá não vi a enorme tempestade que teimava em pedir passagem. 

 

Vivia meus dias cuidando da rotina daquele castelo para que todos os seus habitantes estivessem bem cuidados, bem nutridos e bem educados. Mas talvez não tenha cuidado de algo muito precioso, da qualidade das minhas relações, principalmente da minha relação comigo mesma e, por consequência, da minha relação com o meu marido. E com aquele término inesperado pra mim, por um tempo me deixei carregar toda a culpa sozinha, quis assumir todos os erros, colocando o outro num pedestal imaginário. Estava esquecendo que uma relação nunca acaba apenas de um lado, a responsabilidade é sempre compartilhada. 

 

Nosso casamento começou feliz e muito rápido. Cerca de 30 dias após nos conhecermos fomos morar juntos. Tínhamos praticamente a mesma idade, 32, 33 anos. Éramos dois executivos de multinacional cheios de vida e trabalhávamos na mesma empresa (isso foi uma coincidência impressionante do destino, pois nos conhecemos pela internet sem saber da existência um do outro). Já havíamos vivido outras relações e a gente sabia o que queria. Não éramos mais tão jovenzinhos. Queríamos casar, montar nosso castelinho, ter nossos príncipes. E eles vieram. Depois da perda de uma gestação, fiz um tratamento de saúde e os gêmeos nasceram. Eram a sensação! 

 

E foi na época em que os meninos nasceram que a vida a dois começou a ficar pesada e menos divertida. Se por um lado, a felicidade pela existência dos dois era imensa, a qualidade da relação do casal foi começando a perder a conexão. Foi tudo acontecendo devagar, sem a gente perceber. E foi crescendo. O peso da rotina com as crianças, as responsabilidades com a casa, um breve período de desemprego do marido, as três mudanças de apartamento que fizemos, o stress do trabalho, as duas cirurgias que precisei fazer quando os meninos ainda eram bebês, o desafio da dedicação aos estudos...enfim, tudo foi se somando e o cansaço pesando sobre as minhas costas (nas dele também, mas aqui vou falar pela minha perspectiva). 

 

E foi logo após o nascimento das crianças que, sem perceber, desenvolvi uma tendência à compulsão alimentar. Comia mais do que o necessário em busca de prazer imediato para aliviar o fardo da vida. Não comia só para me alimentar, buscava me recompensar, me aliviar. Era muito chocolate, açúcar e uma dieta com excesso de carboidratos que me proporcionava satisfação imediata - assim como uma droga ou álcool - mas que, em seguida, me deixava pesada, sem ânimo e sem vitalidade. Me faltava disposição e fui inconscientemente fazendo escolhas sobre para onde direcionar a pouca energia que conseguia ter. 

 

As pessoas me viam como uma excelente profissional e uma mãe exemplar, acima de qualquer suspeita. E de fato eu era, e muito! Eu colocava toda a minha energia nessas coisas, nesses pratinhos que não podiam cair. Mas o que elas não sabiam é que isso era a um custo alto pra mim. Só bem mais tarde consegui elaborar e entender que o que sentia eram sintomas claros de depressão. Eu vivi com uma depressão moderada durante muitos anos, mas disfarçava tão bem que ninguém percebia, muito menos eu.

 

Colocava toda (pouca) disposição no que julgava ser mais prioritário e urgente na vida, ou seja, no meu trabalho e na rotina das crianças. Não sobrava quase nenhum ânimo para me cuidar, para me sentir bem comigo mesma, com meu corpo, para me sentir mulher, feminina, desejável. Não dei conta do recado. Não consegui ser super mulher... Namorar? Ai que preguiça... “Amor, pode ser outro dia?!”. Era isso que muitas vezes meu marido ouvia de mim, e quase nunca com palavras. Uma falta de disposição enorme tomava conta de mim e eu me sentia muito errada com isso!! 

 

Estava muito cansada daquela situação e não encontrava saída. Não achava nada que fizesse sentido para me tirar daquele buraco. Minha relação com meu corpo estava cada vez pior, meu peso não parava de aumentar. Eu comprava roupas cada vez maiores e me sentia péssima, tentando me convencer de que aquilo era normal. Meus exames médicos apontavam alterações, desde colesterol alto até gordura no fígado. Me sentia morta em vida. Entrei no modo de economia de energia total. 

 

E mesmo estando assim com meu corpo, meu marido me desejava. E muito! Isso nunca foi um problema pra ele, com a dimensão que era pra mim. Mas como eu não correspondia aos seus estímulos, ele, sem entender, começou a acreditar que eu o rejeitava. Tudo virou um grande mal entendido entre a gente e só anos mais tarde, depois do rompimento, conseguimos elaborar, entender, aceitar e perdoar. Mas o estrago já estava feito. Nos divorciamos. Hoje somos bons amigos, mas a relação como casal terminou.

 

Passar por essa experiência tão dolorida e intensa de uma morte em vida me tocou tão profundamente que acabou me mobilizando definitivamente para a luz. Fiz minha escolha por querer sair daquelas trevas, daquele fundo do poço existencial ao invés de me afundar ainda mais. Aquele lugar era terrível e estar lá me fez enxergar e decidir que eu queria muito viver, desejava com toda a força da minha alma voltar à vida plena e equilibrada, mas o caminho seria longo e penoso. Havia muitas coisas para eu deixar morrer em mim. Eram muitos quilos para eliminar, não só de gordura, mas de emoções ruins que eu não consegui digerir durante anos. Sentia que minha aparência não traduzia a minha essência, não era a expressão real do meu ser. E não me refiro a uma vaidade vazia, mas falo de se gostar, de se sentir plena e em paz consigo mesma, em comunhão com a vida. É como se eu não reconhecesse minha alma no espelho, como se meu espírito estivesse desconectado do meu corpo e aquela não fosse eu. Eu não escolhia a roupa para vestir, a roupa me escolhia, eu vestia o que me servia. Não tinha mais vaidade, não me sentia feminina. Meu lado mulher estava bloqueado. E o pior era que acreditava de verdade que essa situação não tinha mais jeito, pensava que deveriam ser os hormônios, a menopausa que estava se aproximando.

 

Mas foi a partir dessa dor tão profunda, que uma força descomunal foi crescendo dentro de mim e me despertou uma enorme vontade de viver, de me cuidar, de me iluminar. Algo tão intenso e tão forte, que eu não imaginava que um dia pudesse sentir. Queria muito voltar a ficar bem comigo mesma, me sentir atraente, interessante e desejada. Queria voltar a ser feliz!

 

Fui buscar muitas ajudas e elas vieram de vários lados. Intensifiquei a terapia, bons amigos apareceram para me dar colo, tive apoio de uma nutricionista maravilhosa com um método inusitado (ela é iridóloga), precisei de um recurso químico sim (um bom antidepressivo tem seu valor e não há nada de errado nisso), reconectei minha dimensão espiritual, mudei meu guarda roupa inteiro, decidi começar a mexer o corpo pra valer (fiz até aula de capoeira!), conheci as maravilhas do tantra, fiz ensaios fotográficos para me enxergar e até comecei a enfeitar a pele com tatuagens, decidindo dar início, aos 48 anos de idade, à minha coleção de tattoos (uma delas é muito simbólica, pois traz no desenho o título da famosa canção de Paul McCartney “Live and Let Die” - Viva e deixe morrer). Essa frase traduz muito meu espírito hoje e meu momento de renascimento. Buscar viver e deixar morrer o passado. Ficar apenas com o que é bom. Sem arrependimentos e sem culpas, apenas com as boas memórias.

 

Ao longo desse processo, eliminei 25 quilos em 6 meses, fui do tamanho 48 ao 38 e venho mantendo o peso sem oscilações. Tenho disposição e energia para fazer coisas que não fazia antes, desde um simples jogo de frescobol com meus filhos na beira da praia até praticar capoeira.

 

Enfim, voltei à vida renovada, com saúde e vigor. Não simplesmente para aquela vida cinzenta de antes, mas para uma vida colorida que só o fundo do poço foi capaz de me preparar. Hoje eu digo para quem me conhece e sabe da minha história: Se tiver que sofrer, que sofra direito! Não olho com piedade para as pessoas que sofrem. Acredito que, por alguma razão que não nos cabe entender nessa existência, elas estão passando pelas dificuldades necessárias para a sua evolução espiritual, de acordo com um plano de desenvolvimento contratado por elas mesmas antes de virem para esse planeta. Mas a diferença entre os fortes, que sobrevivem aos desafios da vida, e as pessoas que sucumbem diante das dificuldades, é o “como” sofrer. Não sou a dona da verdade, mas sou a dona da minha verdade. E essas são as lições que eu aprendi com o fundo do poço e que fizeram sentido pra mim:

 

  • É no momento mais profundo de dor que a busca pelo autoconhecimento se faz necessária como nunca, seja em forma de psicoterapia, programas de desenvolvimento, terapias alternativas, espiritualidade, etc. Vale o que fizer sentido para cada um;

  • Aceitar a dor é permitir-se o luto. Algo está morrendo dentro de nós e este é um processo lento que precisa ser vivido, respeitado e profundamente sentido, sem distrações, atalhos, muletas ou anestesias para fugir de si mesmo;

  • Deixar para trás aquilo que não nos faz bem - antigas crenças, atitudes e padrões de comportamento que aprisionam o nosso ser real, nos colocando numa gaiola emocional imaginária;

  • Abrir-se para o novo é permitir-se renascer. Nascer também dói e é um processo solitário, como a dor do parto. Só a gente pode fazer isso. O querer é só nosso, de mais ninguém, precisa se sentir chamado. Só tem sentido o que é sentido;

  • Buscar e aceitar ajuda, sempre. De onde ela vier e estiver. Procurar não se isolar do mundo. Isso faz bem na hora da escuridão;

  • Deixar o tempo passar. O tempo é o senhor de todas as curas. Lidar com a ansiedade é fundamental. As coisas acontecem no tempo que tem que acontecer. Não dá para acelerar o ciclo da vida. A gente nasce, cresce, se desenvolve e morre. Não dá para fazer uma criança andar com 5 meses. Há de se ter paciência para esperar o tempo certo.

 

Enfim, aprendi que o fundo do poço não é um lugar tão ruim assim se a gente tiver um olhar atento e souber aprender com as sutilezas e a beleza das suas lições escondidas no que parece dor e tristeza.

 

E você? Já esteve no fundo do poço emocional? O que aprendeu com essa experiência? Como ela te fez um ser humano melhor?

 

 

 

 

Fernanda Ribeiro Abrantes é cofundadora da Eight∞. Trabalha com diálogos transformadores, é coach, facilitadora de grupos e consultora de desenvolvimento humano e organizacional. Em 2018 conheceu profundamente as dores do fundo do poço e saiu de lá mais fortalecida, plena e feliz, procurando viver e deixar pra trás o que precisava morrer. Tem 48 anos, é divorciada e mãe dos gêmeos Caio e Rafael de 12 anos.

 

 

Please reload

Posts Em Destaque

Meus aprendizados em família - Parte 2

December 26, 2019

1/6
Please reload

Posts Recentes